Crônicas

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Desgaste de um contraste


Ação poetizada em versos contados pelo próprio ator:

“Os contrastes que vejo em minha televisão já não me encantam de emoção.
Sou dominado, possuído e alterado pela indignação.

Posso fazer algo? Até essa linha não!

Novelas, reality shows, seriados, filmes? Os contrastes que vejo saem da minha televisão e tropeçam e uma abrupta indagação: Ter ou não ter? Eis a questão!

Em um mundo onde se reverencia o busto mais empinado, o carro todo importado, será que não cabe um pouquinho de compaixão nesse hiato chamado de espaço?

Posso fazer algo? Talvez não!

Um passeio de moto, um farol fechado, um olhar abalado, um pirulito ofertado e esse mesmo olhar, antes embriagado de desamparo, sorriu emocionado...

Ela sorriu e eu chorei em desgaste, desgaste pela desigualdade desse contraste: Enquanto uns reclamam da vida farta, outros proclamam por uma vida grata!

A vida e a arte da mutação imediata. Pintamos quadros felizes em nossa mente infeliz, porque ser feliz não é desejar ter o que nunca quis, é ser o que nunca se pensou ser.
Ter e não ser, ser e não ter? Eis a questão!

Hoje, inesperadamente, o frio cortou meu rosto e gelou minhas lágrimas que caíam por tanto desgosto. Vivo nessa sociedade muito além do meu contragosto, porque hoje vejo uma máscara ao invés de um rosto.

Hoje, inusitadamente e por breves minutos, eu me coloquei em outro espaço, no mesmo tempo e em outro cenário que para muitos (em seus edredons e em seus computadores) são inimagináveis pra se imaginar. Me diga: Em uma única vez você já pensou em ajudar?

Em meio a essa fusão contraditória de disfunções contrastuais eu me pergunto:

Posso fazer algo? Por que não?

Vidas passageiras e almas companheiras, acaloradas e unidas por uma ação que um dia me fará feliz; talvez em outra jornada, ou na concepção de uma vindoura alvorada...”

Ação contada cruamente pelo próprio ator:

Hoje, um dia comum com ações costumeiras exceto pelo que descreverei abaixo.

Noite fria, vou ao parque em busca de aquecimento ofertado pelas corridas rotineiras no Ibirapuera.

Retornando para casa, vejo uma cena e recebo um presente. Na verdade eu fui com a intenção de dar um presente...

... Ao dar um simples pirulito para uma criança que comia uma pizza no chão juntamente com suas duas irmãs e sua mãe, recebi um ato inusitado e muito educado: a menininha correu em minha direção para me dar um abraço...

Ela sorria com os olhos! Eu chorei com a alma!

O gesto tão nobre daquela menina de rua me congelou e me aqueceu. Fui chorando pra casa, catei uma sacola e coloquei tudo que via pela frente: chocolates, guaranás, dezenas de balas e por que não pirulitos? Eu queria ganhar mais um sorriso daquela garotinha que não passava dos seis anos de idade.

E ganhei!

Agora, sentado de frente para o meu computador eu me pergunto:

Posso fazer algo?

De certa forma eu fiz, eu fiz uma menininha feliz!

10 comentários:

  1. Uauuuu...

    Pela primeira vez, estou sem palavras.
    Confesso que isso me emocionou.

    Um grande retorno de um ato simples.
    O mínimo faz toda a diferença!

    UAUUUUUU...

    ResponderExcluir
  2. é...o grande problema e que tentar nos ajudar ja demanda um esforço sobrehumano...
    nao tem como resolver o problema da humanidade...
    ja desisti disso faz tempo...

    ResponderExcluir
  3. Cara? Chorei ao ler o que aconteceu com vc....

    Vivemos num mundo cão, mas a sua atitude foi de um sentimento expressivo e incalculável.....

    É complicado ler tudo isso, imaginar a cena e não se emocionar.

    (imagino vc)

    bjs

    ResponderExcluir
  4. Agora entendo pq o André não divulgou mais uma obra sua..... Pq na vdd um texto desses não é motivo para exibicionismo... Só para político fdp que adora abraçar essas criancinhas....

    Me revolto tb em ler o seu texto andré..... Mas acho mais do que louvável vc ir até a sua casa pegar tudo que tinha, voltar ao mesmo lugar e entregar....

    Isso é exemplar, notório!

    Parabéns....

    Além de escritor, és um grande ser humano!

    ResponderExcluir
  5. É de pessoas assim q o mundo anda precisando!!!
    Dé,já pensou em fazer um trabalho voluntário 1x por semana no hospital ou alguma casa de crianças com alguma doença sem cura?vale a pena!!! (falo por experiência própria)

    Felipe,é claro q não podemos mudar o mundo com simples gestos....mas com certeza vc se sentirá um ser humano muito melhor internamente se ver alguém inferior à vc tendo algo q comer,vestir ou brincar.
    Além de tudo sempre ficamos reclamando q não temos isso ou aquilo quando geralmente temos muitas coisas e outras pessoas não têm nem afeto de parentes.

    Pessoas de coração deste blog,pelo menos tentem fazer algo parecido com q o André fez.

    ah,adorei sua atitude!!! bjs

    ResponderExcluir
  6. Texto muito triste mesmo..... Na vdd a história é triste e o cenário de desolamento desse país é mais triste ainda.....

    Concordo com a Carina!

    bjs

    ResponderExcluir
  7. A caridade André é amor em ação.Existem várias formas de caridade e em todas as formas nos sentimos recompensados. A caridade feita aos outros vale mais pra nós mesmos do que pra quem recebe o benefício.O sentimento desperto em você pelo sorriso daquela criança,é a coisa mais compensadora de todo ato praticado.
    Partilhar traz alegria e paz,remove o egoísmo e cria a humildade. Partilhar purifica o coração.Te traz uma alegria indescritível e uma tremenda força externa.Façamos pois a caridade e nos tornaremos " gente"`Parabéns amigo e continue a deixar seu coração agir.Beijos

    ResponderExcluir
  8. Dé me emocionou de verdade esse texto... Você me arrancou algumas lágrimas... Simplesmente amei!!! Parabéns pelo texto e pela atitude linda!
    Fe não precisa querer mudar o mundo todo sozinho, mudando um dia de uma criança já é algo de bom. Se todos ajudassem uma pessoa que fosse, tudo seria bem diferente!! Duvido muito que te custe dar um sorriso para alguém que se sente o dia todo excluido por todos. Talvez um bom dia para um lixeiro. Já experimentou? Te garanto que vale a pena.
    Re concordo com você em tudo.
    Carina, adorei suas idéias, se puder me passar algumas informações fico grata. Acho que poderiamos nos unir (a quem interessar é claro) para fazer algo legal para algumas pessoas.
    Cecilia concordo com você também!!

    Bjokasss

    ResponderExcluir
  9. Vannnnnnnnn p / autor20 de outubro de 2010 19:37

    É verdade ou ficção ? Nunca sei ...

    De qualquer forma, parabéns ! Prefiro esse tipo de leitura, nao sou muito ligada em textos que nao me acrescentem nada, que nao me façam pensar , futilidade nao curto.

    Gostei e se for verdade mesmo , amei!

    Van

    ResponderExcluir
  10. Nossaaaaaa, o que falar de alguém que duvida de um gesto tão simples como esse, de agradar uma criança??

    Adorei seu texto, e acredito sim - (Ação contada cruamente pelo próprio ator) afinal, somos seres humanos e acredito eu, dotados de sensibilidade!! ;);)

    ResponderExcluir