Crônicas

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Meditando primaveras


É no cair da noite, mais precisamente quando a madrugada despenca mudando todo um cenário que você ressurge...

Ressurge em migalhas de pensamentos, em fragmentos da minha memória já desiludida com as traquinagens da vida... Ressurge assim, distraidamente, como bate o coração...

... E o meu coração percorre anos luz de ternura em busca de novos esbarrões, novas sensações sentidas ou precedidas de sensações já sentidas, afinal de contas, o amor não é renovação?

Quanto mais vivo menos eu me queixo. Nada tive nessa vida que não merecesse: Dos murmúrios às lamentações; dos fracassos aos abraços; dos suspiros aos retiros; do desespero ao aconchego...

Essa madrugada (sem título aparente) é o cenário “dramático/perfeito” para este momento. São horas angustiantes onde o sono nem sequer passou pela janela do meu quarto, enquanto isso eu me sinto farto, cansado, angustiado... Escrevo teu nome numa folha de papel almaço. Rasgo ou amasso? Não consigo me conter e passo a madrugada tentando não te esquecer!

Gastei 30 mil reais em terapia e me acontece isso?

E nessa minha epifania sentimental rudimentada, vejo que o que acaba um relacionamento são as expectativas irreais e as perspectivas surreais que criamos em torno dele e em torno de seus personagens. Abafamos os problemas, mas de vez em quando eles emergem como se fossem baleias a procura de ar...

A superação sempre levantou o dedo dizendo “presente” nas aulas calorosas e insólitas do verbo “relacionar”.

Bastou a superação "faltar" um dia e tudo acabou. Assim é o amor pra quem o renegou:

Um dia sem o teu amor:

A presença imaterial surge como uma força descomunal, quase que física da pessoa que abandonamos. Do estado penoso da separação para o estado culposo da anulação...

Sim, anulação sim! Eu me abreviei depois que ela partiu, eu parecia um boneco de playmobil ao lado dela, só sorria! Hoje? Pois o “hoje” em breve será um amanhã e que depois será um depois, pra depois ficar em nosso álbum de recordações, eu e ela, nós dois!

Uma semana sem o teu amor:

A chuva desaba lá fora, aqui dentro só piora, porque foi nesta hora (há 1 ano, 6 meses e 15 dias) que nos conhecemos. Chovia lá fora e num breve momento de poesia, teu beijo me fez esquecer a chuva que caía.

Um mês sem o teu amor:

Ao seu lado, meu calendário da solidão vivia em pleno feriado. Hoje tomei coragem, fui até a cozinha e virei essa página que agora já não mais me pertence. É preciso tentar caminhar, dia a pós dia, assim, distraidamente, como bate o coração.

Preciso doar este espelho aqui do corredor, porque as saudades que ainda sinto por você refletem nesse espelho, que um dia foi tão reluzente por sua presença, mas hoje reflete o fantasma da tua ausência.

Um ano sem o teu amor:

Ainda me pego a dizer palavras mágicas no vazio desse quarto. Uma vontade incontida de querer amar, um desejo irrefreável de querer se doar ou uma tentativa espiritual de te fazer voltar? Talvez sim, talvez não, vai ver que esse talvez se fez em um simples talvez!

Muitas coisas nós não aprendemos dentro de casa, mas sim com a nossa intrépida curiosidade pelo desconhecido, por isso sigo a vida me esbarrando com estranhos conhecidos e divertidos desconhecidos...

Sofre-se mais vezes pela morte de uma ilusão ou pela perda de uma realidade? Melhor estar com a pessoa certa com os motivos errados ou estar com a pessoa errada com os motivos certos?

Sob o signo de virgem caminho entre as folhas da primavera de setembro em busca de outro esbarrão, afinal de contas, encarno o amor como uma eterna renovação.

22 comentários:

  1. AGORA SIMMMMM!

    O pessoal vai adorar essa confissão. Gostamos qnd os homens têem essa nobreza de aceitar qnd erram..... São poucos mas.....

    Gostei da menção sobre o signo de virgem... Virginianos são assim mesmo, assim como os librianos tb.....

    Amei!

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Olá André,

    Adorei seu blog, principalmente por dar de cara com um homem se "desnudando" e mostrando seus sentimentos com destreza e poesia! Isso é raro...

    Me lembrou um texto que escrevi. Segue o link, caso interesse: http://omundoparachamardemeu.blogspot.com/2010/10/dois-menos-um.html

    “De todo o escrito só me agrada aquilo que uma pessoa escreve com o sangue." (Nietzsche)

    http://omundoparachamardemeu.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. A poesia do romantismo é sentimental.Será que é bom??? Não sei ... mas é lindo.
    Os homens , acho que por conta dos hormônios, as vezes tem atitudes muito realistas que as mulheres não conseguem entender.


    Viver um grande amor... é o gde sonho , porém como diz o poeta :" depois da chegada tem sempre a partida , porque não há nada sem separação" e continua " a vida é uma grande ilusão"...
    Qdo o amor se acaba, rasga a gente por dentro, porque geralmente termina de um lado só.Pra quem rompe é dolorido porque quebra regras e rotinas e pra quem é rejeitado , é como se tivesse uma fratura exposta. Sem o amor nada tem graça,nada resta , tudo perde o sentido.
    Qdo a dor passa, os olhos estão secos ,a bôca amarga e um novo amor?? nem pensar. E o medo??
    Mas como somos muito corajosos amamos novamente, e todas as vezes que o amor nos chama,porque recusá-lo é impossível.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom...
    nao tem o que comentar.

    Van

    ResponderExcluir
  5. É andré, agora sua leitoras vão degustar saborosamente este conto.... Muito bom.

    Eu acho que raramente encontramos um homem que se predispõe a escrever para um ex amor dessa forma..... A escasses disso é gigantesca!

    Parabéns novamente pelo texto!

    abs

    ResponderExcluir
  6. Para Van:

    Engraçado Van, vc criticou o último texto (não discuto isso) e qnd o andré se inspira num texto sobre amor e desamor vc simplesmete não comenta?

    Viu como é complicado entender mulher?

    Vai saber..... eu hein.

    ResponderExcluir
  7. "O que acaba um relacionamento são as expectativas irreais e as perspectivas surreais que criamos em torno dele e em torno de seus personagens."

    Sublime, amei lindo.

    ResponderExcluir
  8. Eu certamente não me abriria assim para uma mulher... Não vale a pena!

    Abs

    Cássio

    ResponderExcluir
  9. E ae Karina, kd tu Karina?

    Hahhahahaha

    Eu jamais faria isso, nem pra minha esposa.....

    Mulheres demasiadamente mimadas ou cobiçadas são um perigo em potencial...... haha

    abs

    ResponderExcluir
  10. OLá André, para béns pelo texto...
    traz a reflexão de que os dias idos nos apaziguam. Eu já gastei quase isso em terpaia e mais um tanto para me formar terapeuta, e percebi que qunato mais desenquadrados, mais em sintonia estamos com nós mesmos... e aprender a lidar com afalta...
    abraços

    ResponderExcluir
  11. Vannnnnn p / Renato....21 de outubro de 2010 15:51

    Ahh Renato, sei lá se isso foi vivido mesmo... por isso nao me entusiasmo... mas é um bom texto sim...
    Difícil me convencer que isso foi real ...

    Ate´...

    Van

    ResponderExcluir
  12. A vida só vale a pena ser vivida se fizer algo pela vida em vida!!
    Muito bom meu amigo!!!

    Luiz

    ResponderExcluir
  13. História linda que com ctz já foi vivida sim por algum homem sensível....

    Van? vc acha que tudo que está escrito aqui ou em outros milhares de blogs são experiências vividas? contos reais?

    Conta outra vai? Nenhum blog, ou melhor dizendo, nenhum cronista faria uma coisa dessas, caso contrário, não seria blog, e sim diário.

    Heeeeellllooo né?

    See ya!

    Concordo com vc Cecília e discordo da maioria dos homens... Vcs precisam sim serem mais sensíveis.

    ResponderExcluir
  14. É interessante avaliarmos esse crescimento da saudade que a pessoa nos traz, ou que a situação nos traz.....

    1 dia, 1 semana, 1 mês, 1 ano..... Ás vezes nem a eternidade cura essa saudade.....

    abs a todos

    ResponderExcluir
  15. ...belo texto, parabéns!! ;)

    ResponderExcluir
  16. Vannnnnnn p / Marisa22 de outubro de 2010 11:15

    Ta´certo Marisa, sendo ficção ou nao, nao importa , o texto é bem bonito ...o autor tá de parabéns !

    Té mais.

    Van

    ResponderExcluir
  17. De este ficou perfeito .....

    tudo a ver ..mil beijos da Hary ...

    ResponderExcluir
  18. Essa Vannn quer te dar.

    ResponderExcluir
  19. Vannnnnnnnn para a idiota anonima !22 de outubro de 2010 15:29

    Putz , quem é essa ou esse IDIOTA !

    NAO APAREÇO MAIS AQUI ! IDIOTA !

    Vanessa

    ResponderExcluir
  20. É preciso sofrermos com a separação....

    Aprendemos a sermos melhores na dor e no sofrimento..... Evolução!

    Senão, como viveriam os terapeutas, psiquiatras e terapias de casal? haahahahahah

    É um ecossistema delicado isso.....

    Adorei!

    bjs meninas!

    ResponderExcluir
  21. Esquecer... Não.
    Superar... Sim.
    Grandes amores vêm e vão.
    Já dizia Vinicius de Moraes: “Mas que seja infinito enquanto dure.”
    O amor rende histórias, fatos e belas crônicas.
    Sempre o buscamos de alguma maneira.

    “Pequenos soldados numa fila, se apaixonado e desapaixonando-se.”
    Adoro essa música!

    Discordo quando falam que as mulheres cobiçadas são um perigo.
    Concordo quando essa frase é aplicada aos dois sexos.
    O homem tanto quanto a mulher, quando cobiçados e desejados... O ego infla. FATO!
    E a dificuldade que os homens têm de entender as mulheres, é a mesma que nós mulheres temos de entendê-los!
    Resumindo... Essa confusão é eterna!

    Enfim...
    “Perder é muito mais do que hesitar.”

    ResponderExcluir
  22. Se aproiveitando das energias astrais, é só inspiração!

    Um bjo,

    ResponderExcluir